terça-feira, 23 de agosto de 2011

Metacanção

(J. C. Peu)


Num canto o poeta produz
Encanto e canção
E sai do seu canto
E de sua tristeza
Invocando amor,
Evocando paixão...

Pigarreia e enceta seu canto
E dito proverbial,
Conduzindo para além
Sua própria paixão
E seu próprio ser
Sendo inundado pelo seu canto
E se encantando,
Como cantou na canção...

Pura imaginação poética
Pensar que um mero canto
Feito na tristeza de um canto
Pode refletir transcendência
Sobre si mesmo
E provocar em outros
A mesma transcendência...

Tudo no canto do poeta
Faz sentido,
Quer neste canto,
Quer naquele canto algures,
Mesmo que não tenha significado...

Como dizer que
A Paixão é tal qual
Lama seca na sola do pé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário